sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Da Importância da Cultura numa pequena vila como Mora



Lembro-me ainda como, já há uns bons anos atrás, meia dúzia de mancebos criaram uma associação para comprarem um aparelho de vídeo, podendo assim ver o “Rambo”, ou “O último Tango em Paris”, num honroso esforço de colectivização da cultura. Deu-se assim o início de uma associação que viria a organizar múltiplos intercâmbios com França e Alemanha, abrindo largos horizontes aos seus jovens, bem como operou cursos de informática, canoagem, fotografia e outros.

Fui muito feliz crescendo dentro de algumas destas iniciativas, e muitos jovens do Concelho de Mora devem a esta associação o serem as pessoas e os profissionais que hoje são. Como exemplo, temos o actual presidente da junta de freguesia de Mora, Luís Caramujo, de inquestionável valor. Um exemplo entre muitos.

Esta não é mais a realidade da vila de Mora.

Actualmente há o Fluviário de Mora, referência da cultura científica no Distrito de Évora. Mas está limitado a uma pequena área desta mesma cultura (a fauna dos rios), uma visita preenche as necessidades de quase todo o cidadão, e o preço da entrada não é nada convidativo nos tempos que correm.

Era desejável um vereador da cultura, ou um seu assistente, dentro da câmara municipal de Mora, que pegasse num carro, e partisse para Évora, ou Montemor, ou mesmo Lisboa, recrutando entre universidades, cooperativas de artistas, bandas musicais, grupos de teatro, ou de actividades circenses, projectos de interesse para a população em geral, acessíveis ao bolso dos mais fracos subsídios. Mas até hoje, não se viu tal. E a vila desespera á sua espera.

É inquestionável o valor de uma cultura laica e diversa no Alentejo. Não apenas para o desenvolvimento cultural e pessoal dos seus cidadãos, mas para o enriquecimento de um quotidiano cada vez mais opressor e pobre, de uma vida social que parece ter parado nos anos noventa do século passado. “Não se passa nada” parece ser uma opinião partilhada por quase todos.

Para não falar também da atracção extra que se ganha, com programas culturais diversos numa mesma noite, puxando população de outras freguesias e distritos para passar longo serão no concelho de Mora, gastando aí o seu dinheiro.

As ocasionais touradas ou exposições temáticas não chegam para preencher estes objectivos, já que o seu público têm muita oferta, e mais rica, em toda a freguesia alentejana ou ribatejana (caso das touradas), ou essas actividades visam pequenos grupos de interesses, atraindo assim pequenos grupos de pessoas (caso das exposições temáticas e concursos de pesca). Ainda assim, é de louvar as exposições. Só deveriam ser mais, com variados temas, mais regulares, e de presença constante, tornado a Cultura de Mora sempre presente.

Prima assim, pela sua diferença, quantidade e qualidade de eventos, a Sociedade de Instrução Musical Morense que, num relativo vazio de cultura, é cada vez mais o verdadeiro Centro Cultural do Concelho de Mora. Parece ser este o seu papel histórico.

Pelo que dou, aos seus membros, os meus parabéns. Que continuem o bom trabalho.

O Concelho agradece.

Miguel Eduardo Lopes

5 comentários:

  1. obrigado pelo incentivo Miguel...Tentaremos continuar e evoluir, na medida do que nos for possível.

    Carlos Garcia

    ResponderEliminar
  2. O Carlos Garcia na Sociedade, tem sido sem duvida o elo de ligação com a juventude de Mora, nunca antes a SIMM teve o numero de jovens que tem hoje, basta ver á Sexta ou ao Sabado, para não falar nos eventos, da minha parte tem todo o apoio.
    Boa Carlos e continua assim.

    ResponderEliminar
  3. O Carlos tem feito um excelente trabalho á frente da sociedade,sem duvida.Os meus parabens.
    Abraço

    ResponderEliminar
  4. morando em mora ha pouco tempo torno me suspeita para falar,mas mesmo assim vou dar a minha humilde opiniao.
    cresci numa autarquia que independentemente da sua cor politica,e uma autarquia que se interessa pelos seus jovens promovendo espectaculos de diversas areas desde a musica ao teatro as artes circenses e pora ai fora,realizando mes da juventude,mes do teatro etc.
    compreendo tambem que a vila de mora nao tera um terço da populaçao que tem o meu antigo concelho,mas sera por isso que somos menos merecedores de cultura?
    ao fim de algum tempo de viver por ca chego a humilde conclusao que por ca os eventos culturais resumem se a touradas(que detesto,mas reipeito quem gosta...) e a copos de tinto(que tmb nao desgosto...)mas so!!!???
    sr vereador da ultura recentemente eleito,por favor faça algo por nos....certamente a populaçao jovem ficara agradecida!!

    ResponderEliminar